background

JOAQUIM DIAS GUIMARÃES

Joaquim Dias Guimarães foi o doador, à Paróquia de Santo Antônio, das terras onde se construiu a Vila de Beija-Flor, atual cidade de Guanambi, em 08 de maio de 1870. Filho de José Dias Guimarães, imigrante português que, ao chegar no sertão baiano no século XVIII, fincou raízes, casando-se com uma índia da tribo dos Bororos Coroados, com que teve os filhos: Joaquim Dias Guimarães, Alexandre Dias Guimarães, João Dias Guimarães, José Pedro Dias Guimarães e Praxedes Dias Guimarães.

Além da doação das terras onde se instalou a cidade de Guanambi, também construiu a tapagem da Lagoa que fornecia água ao vilarejo, garantindo que não faltasse água na época da seca para os moradores da antiga Vila Beija-Flor.

Joaquim Dias Guimarães seguiu à risca os pedidos de seu pai, José Dias Guimarães: “[…] – Meus filhos, aquele que ficar com a área de terras onde está o povoado, não tire os moradores. Deixa eles (sic) na terra! […]”. E assim fez Joaquim Dias Guimarães, recebendo todos que chegavam à região e ajudando a fazer crescer o povoado que se tornaria a cidade de Guanambi.

A Fundação Joaquim Dias Guimarães, museu que resgata e preserva a história de Guanambi, possui registros da história da Família Guimarães até os dias atuais.

Fonte: GUIMARÃES, Elísio Cardoso. Leocádia: romance histórico. Rio de Janeiro: Companhia Brasileira de Artes Gráficas, 1991.

Entre em contato conosco através do e-mail

cl100anosgbi@centrouniversitariounifg.edu.br